Início » Sergipe » Riachão do Dantas


Riachão do Dantas - Sergipe



Riachão do Dantas faz parte do estado de Sergipe.

Com a colonização de Sergipe em 1590, através da expedição militar liderada por Cristovão de Barros, as terras onde hoje se encontra o município de Riachão do Dantas começaram a serem exploradas. O povoamento da Capitania de Sergipe se iniciou nas bacias dos rios Real e Piauí, esse último nasce na Serra das Aguilhadas, na região de Palmares (Antiga Fazenda pertencente aos frades carmelitas que hoje faz parte do território do município de Riachão do Dantas) devido a essa estratégia colonizadora, as terras riachãoenses já possuem seus primeiros sesmeiros em 1596, que de acordo com Felisbelo Freire foram Domingos Fernandes Nobre, Antônio Gonçalves de Santana e Gaspar Menezes, todos eles receberam terras no vale do rio Piauí. Apesar da colonização do território riachãoense ter sido preconizada seis anos após a conquista e colonização do território sergipano, o povoamento inicial das terras onde se encontram hoje o município não deu origem a conglomerados urbanos. Segundo ALVES (1959): A região (...) permaneceu até o início do século XIX, como zona de propriedades de criação de gado ou de engenhos de açúcar, sem aparecimento de aglomerados humanos com formas de vida em comum. (ALVES, 1959. P. 422) Através desse fragmento, percebemos que as sesmarias, quando passavam pelo processo de doação, se tornavam fazendas para criação de gado e engenhos de açúcar. Entre as grandes fazendas podemos elencar a de Palmares, que pertencia aos frades da Ordem Carmelita , e a de Maria Samba . Entre os engenhos destacamos o do Riachão (mais tarde Salgado) e o São José da Fortaleza . O modelo colonizador implantado em Sergipe explica a ausência de centros urbanos que segundo PASSOS SUBRINHO (1987): Era uma área parcamente povoada, tendo como principais atividades econômicas a lavoura de subsistência e a pecuária extensiva, que abasteciam a próspera região dos engenhos. (PASSOS SUBRINHO, 1987. P. 17) Corroborando com Passos Subrinho, FIGUEIREDO (1977) nos diz: Por mais de um século, Sergipe significou ‘currais de gado’, ‘meios de subsistência’ e ‘campos de criação’ complementares para a lavoura canavieira da Bahia. (FIGUEIREDO, 1977. p.21)

Outro fator que pode contribuir para o retardamento da povoação nas terras riachãoenses são as vias de comunicação, que naquela época havia uma grande deficiência em sua estrutura, ALVES (1959) complementa: Com escassas e poucos freqüentadas vias de comunicação, os terrenos daquela zona permaneceram isolados por mais de um século do contato com centros civilizados, não permitindo o aparecimento do comércio na sua forma de ação coletiva, que é o verdadeiro e autêntico criador e fomentador de cidades. (ALVES, 1959. p. 423)

História da cidade de Riachão do Dantas Sergipe - SE

No local onde está localizado o atual Município de Riachão do Dantas existiam, no início do século XIX, diversos engenhos de açúcar, destacando-se o de nome "Fortaleza", pertencente ao Coronel João Dantas Martins dos Reis, pessoa de grande prestígio político na Província e no Sertão da Bahia. Surgiu

o povoado com a construção das primeiras casas e de uma pequena capela em terrenos de João Martins Fontes, à margem de um curso d′água chamado "riachão" (por ser menor do que rio e maior do que riacho).

Em 1855 o arraial tornou-se sede da Freguesia de Nossa Senhora do Amparo do Riachão, então criada por desmembramento da Freguesia de Nossa Senhora da Piedade do Lagarto, e em 1864 passou à categoria de vila, constituído o Município com território desanexado do Município de Lagarto. A vila estêve suprimida e o arraial reanexado a Lagarto desde 1865 até 1870, ano em que foi restaurado o Município. Sómente em 1943 foi adotada oficialmente a denominação atual, Riachão do Dantas.

Desde a criação, em 1864, o Município compunha-se de um só distrito - o da sede. Em 1949, no entanto, foi dividido, com a criação do distrito de Palmeiras (hoje Palmares). Sua composição atual compreende, pois, 2 distritos: Riachão do Dantas (sede) e Palmares.

Gentílico: riachãoense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Riachão, pela Resolução Provincial nº 419, de 27-041855.

Elevado à categoria de vila com a denominação de Riachão, pela Resolução Provincial nº 666, de 13-05-1864, desmembra do muicípio de Lagarto. Sede na povoação de Riachão. Constituído do distrito sede. Instalado em 09-05-1870.

Pela Resolução Provincial nº 730, de 15-05-1865, a vila de Riachão é extitna, sendo seu território anexado ao município de Lagarto.

Pela lei nº 888, de 09-05-1870, a vila é restaurada com a mesma denominação anterior.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937.

Pelo decreto-lei estadual nº 377, de 07-12-1943, revogado pelo decreto de nº 533, de 07-121943, o município de Riachão passou a denominar-se Riachão do Dantas.

No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município de Riachão do Dantas ex-Riachão é constituído do distrito sede.

Pela lei estadual nº 123, de 01-01-1949, é criado distrito de Palmeira e anexado ao município de Riachão do Dantas.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 2 distritos: Riachão do Dantas e Palmeiras.

Pela lei estadual nº 554, de 06-02-1954, o distrito de Palmeiras passou a denominar-se Palmares.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Richão do Dantas e Palmares ex-Palmeiras.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica municipal

Riachão para Riachão do Dantas alterado, pelo decreto-lei estadual nº 377, de 07-12-1943, revogado pelo decreto de nº 533, de 07-12-1944.

Fonte: IBGE

Código do Município

2805802

Gentílico

riachãoense

Prefeito

GERANA GOMES COSTA SILVA

População
População estimada [2018]19.800 pessoas  
População no último censo [2010]19.386 pessoas  
Densidade demográfica [2010]36,48 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]2,2 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]1.047 pessoas  
População ocupada [2016]5,2 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]56,3 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]94,4 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]3.5  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]2.7  
Matrículas no ensino fundamental [2017]3.425 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]728 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]225 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]33 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]35 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]2 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]10.476,78 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]94,1 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0.539  
Total de receitas realizadas [2017]40.772,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]37.984,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]14,49 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]0,2 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]13 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]530,607 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]3,7 %  
Arborização de vias públicas [2010]46,2 %  
Urbanização de vias públicas [2010]13,7 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Riachão do Dantas: Imagens da cidade e Região

imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-1
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-2
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-3
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-4
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-5
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-6
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-7
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-8
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-9
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-10
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-11
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-12
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-13
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-14
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-15
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-16
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-17
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-18
imagem de Riach%C3%A3o+do+Dantas+Sergipe n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Riachão do Dantas e arredores.


Você conhece a cidade de Riachão do Dantas? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. José Augusto M. do Nascimento's avatarJosé Augusto M. do Nascimento

    Saudações! Estive procurando por lista de povoados de Riachão do Dantas para confecção de painel escolar e não obtive sucesso.

    #1 – 03/05/2017 - 20:07

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: