Início » Santa Catarina » Paraíso


Paraíso - Santa Catarina



Paraíso faz parte do estado de Santa Catarina.

Encontra-se a uma latitude 26º36′50" sul e a uma longitude 53º40′19" oeste, estando a uma altitude de 520 metros. A população avaliada em 2004 era de 4.179 habitantes.

Possui uma área de 183,31km².

História da cidade de Paraíso emancipado em 09 de Janeiro de 1992, pela Lei nº8.532, está localizado no extremo-oeste catarinense, à COeste de São Miguel do Oeste, fazendo divisa com a República Argentina pelo Rio Peperi- Guaçú.

O inicio da progressista história do Paraíso data de fins de 1951, quando aqui chegaram as primeiras famílias oriundas do município de Anita Garibaldi -SC e outros municípios gaúchos. Estas famílias vieram através da firma Colonizadora e Madeireira Bandeirante Ltda, com o espírito desbravador e visando adquirirem terras férteis. Estabeleceram-se encantados com a mata virgem e o predominante verde existente que, inclusive, deu origem a denominação PARAíSO, exclamação proferida pelo pioneiro Fioravante Furlan ao contemplar a região.

Em 1952 outras famílias oriundas do Rio Grande do Sul, aqui chegaram e deram continuidade a formação a comunidade, as primeiras famílias que chegaram foram: Scain e Furlan. Muitas foram as dificuldades enfrentadas por nossos pioneiros, os quais, distantes cerca de 30 Km da sede, possuíam acessos rodoviários precários, sem meio motorizado de locomoção, muitas vezes por ocasiões de chuvas permaneciam ilhados pelos Rios das Flores e índio, tendo um inicio extremamente difícil, sem quaisquer recursos básicos de saúde, educação e comércio; sua assistência médica era os chás caseiros que, muitas vezes atenuaram os sofrimentos causados por doenças, vivendo nos primeiros dois anos de uma forma quase que se selvagem, alimentando-se de caça e pesca, e da mandioca e milho, primeiras culturas difundidas. Suas casas foram construídas rusticamente em sistema de mutirão. Para estes pioneiros e os que o seguiram nos anos seguintes, a força e vontade de vencer e a perspectiva e progresso foram fundamentais para o desenvolvimento da comunidade e já em 1953 era construída a primeira igreja seguindo-se a edificação da primeira escola e a ampliação da área cultivada com milho e mandioca, bem como a introdução da cultura do feijão. Originalmente a população era compostas por índios e caboclos. Com a vinda de imigrantes alemães e italianos por volta de 1953, estes passaram a predominar na composição étnica no município. A primeira madeireira instalada, em 1953, foi pelos irmãos Giacomini.

As primeiras estradas de acessos às propriedades dos agricultores eram demarcadas e feitas manualmente pelos próprios agricultores, sempre em sistema de mutirão.

Prova de seu rápido e coordenado desenvolvimento, em 09 de outubro de 1956, pela Lei Estadual nº 257, era criado o distrito de Paraíso, instalado conforme decreto nº 44, em 27 de outubro de 1956, como o 5º Distrito de São Miguel do Oeste e que, posteriormente pela Lei Municipal nº 243, de 08 de maio de 1965 passou a ser o 3º Distrito, já com seu perímetro urbano criado e composto de 604 lotes urbanos de 800 m2 cada um e mais 90 chácaras sub-urbanas, que com sua área rural, perfaziam um total 841.700 m2. Em 13 de fevereiro de 1964, pelo decreto municipal nº 964/64, fora criado o distrito de Grápia, que hoje somados a área do de Paraiso perfaz uma área total de 173,595 km2.

A primeira tentativa de emancipação foi em 1954, onde foram derrotados pela Câmara Municipal de São Miguel do Oeste. O primeiro Sub-prefeito eleito foi João Mezzomo, posteriormente assumiram o cargo: Romeu Scherner, Acilino Zanin, Celso Stupl e Avelino Scherette.

Em 31 de março de 1991 através da consulta plebiscitaria, a população do distrito do Paraíso, integrada com o Distrito Grápia, aprovaram a criação do Município com a denominação de Paraíso, desmembrando-se de São Miguel do Oeste, através da Lei nº 8532 de 09 de janeiro de 1992, sancionada pelo Governador de Estado Wilson Pedro Kleinubing. Pela lei municipal nº 057/93 de 15 de Julho de 1993, foi criado o 2º Distrito de Paraíso denominado Distrito da Grapia.

Fonte: . Acesso em 20 ago. 2008.. Acesso em 20 ago. 2008.

Autor do Histórico: CLACIR VIRMES

Código do Município

4212239

Gentílico

paraisense

Prefeito

VALDECIR ANTONIO CASAGRANDE

População
População estimada [2018]3.515 pessoas  
População no último censo [2010]4.080 pessoas  
Densidade demográfica [2010]22,51 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]1,9 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]630 pessoas  
População ocupada [2016]17,1 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]28,9 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]100 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]-  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4,8  
Matrículas no ensino fundamental [2017]480 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]124 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]41 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]19 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]4 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]1 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]24.914,91 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]91,2 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,700  
Total de receitas realizadas [2017]17.349,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]14.623,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]- óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]0,3 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]2 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]181,843 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]11 %  
Arborização de vias públicas [2010]67,3 %  
Urbanização de vias públicas [2010]4,4 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  11. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  16. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  17. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  18. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  19. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  21. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  22. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  23. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  24. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  25. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  26. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Paraíso: Imagens da cidade e Região

imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-1
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-2
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-3
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-4
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-5
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-6
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-7
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-8
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-9
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-10
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-11
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-12
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-13
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-14
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-15
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-16
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-17
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-18
imagem de Para%C3%ADso+Santa+Catarina n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Paraíso e arredores.


Você conhece a cidade de Paraíso? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: