Início » Santa Catarina » Águas de Chapecó


Águas de Chapecó - Santa Catarina



Águas de Chapecó é uma cidade do Estado de Santa Catarina. Encontra-se a uma latitude 27º04′13" sul e a uma longitude 52º59′12" oeste, estando a uma altitude de 291 metros. A população avaliada em 2004 era de 5 443 habitantes. Possui uma área de 139,12km².

A história de Águas de Chapecó começou quando a Revolução Federalista no Rio Grande do Sul trouxe ao atual município de Águas de Chapecó, os primeiros moradores. Vieram por via fluvial, navegando as águas do rio Uruguai. Atraídos pela caça e pesca abundantes, e por uma fonte de água mineral, fixaram no território do atual município. Mas terminada a revolução aludida, regressaram, quase todos à sua querência, ficando três famílias, das quais se conhecem a "família Jovêncio" e "família Arruda".

Somente por volta de 1915, a região começou a ser, de fato, colonizada, com elementos de origem italiana, saídos do Rio Grande do Sul, podendo-se mencionar, os senhores Vitório Rossetto, Eugênio Tôrmi, Emílio Corbari, Antonio Fioravante e Inocente Rossetto.

História da cidade de No ano de 1896 o topógrafo e agrImensor Felippe Schell Loureiro, enquanto inspecionava terras nos Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina, Paraná, descobriu aqui uma fonte de água mineral. Na época da Revolução Federalista, em busca de um local seguro, longe dos revolucionários, vieram para cá, navegando nas águas do Rio Uruguai, os primeiros colonizadores atraídos pela fauna abundante e pela fonte de águas termais. Ao lugarejo deram o nome de Vila Aurora, em homenagem a mãe do descobridor. Estes primeiros colonizadores eram descendentes de Italianos, oriundos do Rio Grande do Sul, sendo que até hoje a população predominante é de origem italiana. Estes colonizadores voltaram suas atividades para a agricultura e a criação de animais para a subsistência. Desde o seu descobrimento até a década de 30 a fonte de águas termais era desfrutada apenas pela população da região, para consumo.

A história do município perpassa pela história da fonte de águas termais.

Em 1934 a família proprietária aluga a exploração da fonte. Constrói-se um pequeno balneário de madeira, coberto de tábua lascada, com banheiras improvisadas feitas de cedro escavado.

Na década de 40 o pequeno balneário de madeira foi substituído por outro em alvenaria. Substituiu-se as banheiras de cedro por banheiras de louça. Nesta época inicia-se a construção de hotéis na vila e junto a outra fonte de água mineral fria, onde hoje é a comunidade de águas Frias.

O surgimento dos hotéis impulsionou a construção do terceiro balneário, no inicio dos anos 50. A família Loureiro construiu um amplo e moderno balneário.

A vila pertencendo ao município de Chapecó,em 1954 elegeu um vereador, Fiorelo Guidi, da antiga UDR, que é o mais votado de seu partido. Em 1959 o mesmo partido elege seus representantes na câmara, Arlindo MohrEm 20/12/56, pela Lei 278/56 a vila torna-se Distrito, que em 20/02/57 o então prefeito de Chapecó, Plinio Arlindo de Nes, pelo Decreto 66/57 declara oficialmente criado. No mesmo ano é nomeado intendente do Distrito Severiano Rolim de Moura, que mais tarde, em 10/03/60, passa a intendência a José Tirandelli, que fica no cargo até a criação do município, em 1962.

Nos anos 60 começa decadência do turismo no município. O belo e moderno balneário é corroído pelas enchentes e pelo desinteresse da família proprietária. Os hotéis não recebem mais um número significativo de hóspedes banhistas.

Em 20/11/62 através da Resolução 07/62 foi criado o município de águas de Chapecó, que teve sua emancipação político administrativa em 14/12/62 e foi oficialmente instalado em 26/01/63. José Tirondelli assume como primeiro prefeito provisório até 25/11/63. A origem do nome deu-se pela existência das fontes de água mineral e por margear o rio Chapecó, além de pertencer até então ao município do mesmo nome.

Em 15/11/63 águas de Chapecó elegeu seu primeiro prefeito, o professor José Merísio pelo PSD, permanecendo no cargo de 25/11/63 até 05/02/69. Em 1963 foi eleita também a primeira Câmara Municipal de vereadores.

Em meados de 65 constrói-se o quarto balneário, mais simples, no local onde estavam construídos os anteriores.

Com a lei complementar No. 01 de 19/06/68 do Governo do Estado, que considera Estâncias Hidrominerais os municípios que possuíam fontes naturais de água dotada de alta qualidade terapêutica, a partir de 1969 os prefeitos passam a ser nomeados pelo Governo do Estado. Assim assume o comando do Executivo Municipal Paulo Reschke, do PSD (05/02/69 a 17/02/72), seguido por Arlindo Mohr, da ARENA 17/02/72 a 01/02/77) e Claudino Antoninho Roman, ARENA (01/02/77 a 01/02/83).

A maior decadência do turismo foi na década de setenta. Apenas dois hotéis continuaram em funcionamento e com pouco fluxo de turistas. Em maio de 1978 formou-se uma Sociedade de Economia Mista que adquiriu o patrimônio que até então era da família Loureiro. Surge a Hidroeste.

O turismo começa a reascender com a estruturação do novo balneário. Mas foi em meados da década de 80 que houve um rápido crescimento de turistas.

Com a volta das eleições diretas no município é eleito Pedro Agilar Giongo pelo PMDB (01/02/83 a 01/01/89) em seguida Adilson Zeni, pelo PMDB (01/01/89 a 01/01/93) Celso Luiz Hermes, pelo PPB (01/01/93 a 01/01/97) Adilson Zeni, pelo PMDB (01/01/97 a 01/01/2001) Moacir Dalla Rosa pela coligação PFL, PPB, PT, PDT e PPS (01.01.2001 a 01/01/2005) e Moacir Dalla Rosa pela coligação PFL e PP (01.01.2005 a 01/01.2009).

Nos anos 90 o turismo mostra-se como uma alternativa viável e ressurgem os hotéis e constrói-se cabanas, criando espaços para melhor acomodar o turista. Em 16 de fevereiro a Prefeitura Municipal recebe por doação as ações da Hidroeste pertencentes ao Governo do Estado, desta forma passa a ser o Município detentor majoritário das ações.

Fonte: PREFEITURA MUNICIPAL DE áGUAS DE CHAPECó

Autor do Histórico: ADRIANA BANDEIRA SEIBERT

Código do Município

4200507

Gentílico

aguense

Prefeito

LEONIR ANTONIO HENTGES

População
População estimada [2018]6.455 pessoas  
População no último censo [2010]6.110 pessoas  
Densidade demográfica [2010]43,70 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]2,1 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]566 pessoas  
População ocupada [2016]8,8 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]32,1 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]99,3 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]6,2  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4,5  
Matrículas no ensino fundamental [2017]688 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]128 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]53 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]16 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]5 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]1 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]15.732,48 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]90,1 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,713  
Total de receitas realizadas [2017]19.632,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]16.715,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]31,25 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]7,2 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]2 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]139,832 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]11,1 %  
Arborização de vias públicas [2010]97,4 %  
Urbanização de vias públicas [2010]25,4 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Águas de Chapecó: Imagens da cidade e Região

imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-1
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-2
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-3
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-4
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-5
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-6
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-7
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-8
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-9
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-10
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-11
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-12
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-13
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-14
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-15
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-16
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-17
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-18
imagem de %C3%81guas+de+Chapec%C3%B3+Santa+Catarina n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Águas de Chapecó e arredores.


Você conhece a cidade de Águas de Chapecó? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: