Início » Rio Grande do Sul » Panambi


Panambi - Rio Grande do Sul



Panambi é um município do estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. Encontra-se a uma latitude 28º 17′ 33" sul e a uma longitude 53º 30′ 06" oeste, estando a uma altitude de 418 metros. A população avaliada em 2004 era de 34 268 habitantes. Possui uma área de 491,48km². Situa-se no Planalto Rio-Grandense. Possui um campus da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, cuja reitoria se localiza em Ijuí. Em 2010, recebeu campus do Instituto Federal Farroupilha, com investimentos na ordem de 5 000 000 de reais em prédios para a instalação de quatro cursos superiores gratuitos. O município é conhecido pelas alcunhas de "Cidade das Máquinas" e "Vale das Borboletas Azuis".

Panambi é terra natal da modelo Caroline Trentini, do religioso luterano Elio Eugênio Müller e da modelo e apresentadora Francine Piaia.

"Panambi" é um termo tupi que significa "água de borboleta", através da junção dos termos panama ("borboleta") e ′y ("água")..

História da cidade de Panambi

Os primeiros informes sobre a existência de moradores civilizados nas terras que hoje formam o município de Panambi, são de 1835, com o estabelecimento de um certo Manoel José da Encarnação (presumivelmente o habitante mais velho), na localidade que hoje leva o seu nome.

Sabe-se também que na localidade de Boa Vista se estabeleceu no ano de 1858 o português João Luiz Malheiros, tronco da tradicional família Malheiros, ao qual se devem os primeiros movimentos religiosos na região.

No local onde mais tarde se formaria o núcleo da colônia, residia Chico Bairros, conhecido na região como saleiro, que viajava a Bagé, Botucaraí e Santa Maria, onde trocava mate por sal, que por sua vez era vendido em Cruz Alta. Possivelmente se dava a ele a primeira denominação da área que medida por agrimensores, em 1888 teria sido por estes denominada de Salina talvez porque nessa região morasse um saleiro ou porque aí se espalhasse sal nas pastagens para a alimentação do gado.

O início do povoamento ocorreu nos últimos anos do século passado, quando o Geólogo Alemão Doutor Hermann Meyer, natural de Leipzig, Alemanha, liderando um grupo de família originárias daquele país fundou uma colônia a que chamou Neu Wurtemberg. Cidadão culto e de grande tino comercial adquiriu, mediante contrato de compra, celebrado a 31 de agosto de 1898, por intermédio de seu procurador Carlos Dhein, duas posses situadas no então quarto distrito de município de Cruz Alta. Os vendedores eram o casal José Joaquim dos Santos Lima e a viúva Maria da Silva Moraes, os quais venderam 4.062.362 m de terras e 5.445.000, respectivamente. Em 1888, agrimensores que estavam realizando medições na região denominaram o lugar de Salina,

O nome de Neu Wurtemberg foi escolhido por seu fundador, Dr. Hermann Meyer, pela razão de ser um de seus principais conselheiros em assuntos de colonização, natural de Wurtemberg. Posteriormente recebeu as denominações de:

Elsenau, em homenagem à esposa do fundador que se chamava de ELSA,

Pindorama, outro nome que o então distrito recebeu significando " Terra das Palmeiras" ,

Tabapirã, denominação efêmera que significa " Aldeia dos Telhados Vermelhos" .

e finalmente Panambi, que no idioma guarani quer dizer " Borboleta Azul"

Em 1º de maio de 1899, concretizou-se a aquisição mais importante de terras: 12.901.055 m comprados de Francisco Manoel de Barros. Totalizavam 60 as colônias que Francisco Manoel de Barros obtivera do governo em 1888. Atualmente é zona urbana do município.

O primeiro núcleo de moradores do atual município de Panambi constituía-se dos cidadãos José da Encarnação, Jacob Bock, Peter Bock e Ernst Muller. A 7 de agosto de 1899 chega a segunda leva de colonos que se estabeleceu na atual sede do município. Todos os colonos com exceção de um, eram descendentes de pomeranos, residentes em São Lourenço e Pelotas: Germano Venske, Augusto Schmidt, Augusto Steinhorst e Germano Goeks.

Panambi surgiu, como núcleo colonial, devido a migrações internas, pois sua população é constituída em grande parte por brasileiros de origem alemã. Durante os dois primeiros períodos imigração, de 1889 a 1905 e de 1911 a 1914, estabeleceram-se nos vastos campos de seu território quase exclusivamente colonos oriundos de municípios gaúchos.

A 6 de outubro de 1899, Hermann Meyer dissolveu a sociedade que tinha com Carlos Dhein, para em 6 de janeiro de 1900, fundar a " Empresa de Colonização Dr. Hermann Mayer" . Inicia-se assim nova fase da colônia Neu Wurtemberg. Em 1901 o Dr. Hermann Mayer contrata como colaborador, o jovem teólogo, Secretário da Escola Colonial de Witzennhausen, Hermann Faulhaber, natural de Wurtemberg, na Alemanha. Este homem sumamente prático , ativo e enérgico , seria pessoa indicada para a colônia. Impunha-se a criação de curato Faulhaber assumiu a direção do mesmo, após a fundação.

Uma terceira leva de imigrantes chegou à colônia depois da primeira guerra mundial. Os imigrantes entre os anos de 1921 e 1926 eram em sua maioria alemães natos: 176 famílias, com 650 pessoas, das quais três quartos eram seguramente de Wurtemberg. Ocupou esta leva de imigrantes os lotes disponíveis da colônia, trazendo com consequência grande progresso à mesma. A Sra. Maria Faulheber, esposa de Hermann Faulhaber, prestou relevantes serviços à colônia, dotada de extraordinário talento pedagógico e possuidora de vasta cultura, foi auxiliar inteligente e enérgica de seu marido. Fundou a primeira escola de Neu Wurtemberg em 8 de fevereiro de 1903. Após a morte de Hermann Faulhaber, em julho de 1926, foi nomeado para sucedê-lo o Sr. Eduard Hempe.

Durante as revoluções que ensanguentaram o Rio Grande do Sul, mais uma vez, a colônia esteve ameaçada. Na manhã de 14 de maio de 1923 Panambi foi assaltada e saqueada por mais de cem homens das fôrças sediciosas. Tal acontecimento não se repetiu, pois em íntima colaboração com as autoridades civis e militares organizou-se imediatamente o serviço de defesa própria, que em breve atingiu 800 homens, havendo além disso uma força de reserva orçada em 110 homens.

Um fato digno de registro ocorreu na colônia, por ocasião da revolução de 1923, quando o General rebelde Leonel Rocha se aproximava da colônia com uma fôrça revolucionária de 800 a mil homens. A colônia foi salva por uma fôrça organizada na região e por um pequeno contingente de fôrças do Exército. A 14 de dezembro de 1923 era firmado, finalmente, o pacto das Pedras Altas, que pôs fim à revolução.

Eclodindo um ano mais tarde a Revolução de 1924 mostrou o Serviço de Defesa Própria mais uma vez sua eficiência. Durante a revolução de 1930, cerca de 200 voluntários apresentaram-se para lutar.

Gentílico: panambiense

Formação Administrativa

Em 1º de maio de 1916 foi elevada à categoria de distrito a colônia de Neu Wurtemberg, como parte integrante do município de Cruz Alta.

No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, aparece no município de Cruz Alta, o distrito com a denominação de Pindorama antiga colônia Neu Wurtemberg.

Pelo decreto-lei estadual nº 720, de 29-12-1944, o distrito de Pindorama passou a denominar-se Panambi.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o distrito de Panambi permanece no município de Cruz Alta.

Em 1949 seus habitantes levantaram a bandeira da emancipação, que só foi vitoriosa, depois de uma árdua e longa campanha, em 15 de novembro de 1954.

Elevado à categoria de município com a denominação de Panambi, pela lei estadual nº 2524, de 15-12-1954, desmembrado de Cruz Alta. Sede no antigo distrito de Panambi.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 2 distritos: Panambi e Condor.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.

Pela lei estadual nº 5094, de 17-11-1965, desmembra do município de Panambi o distrito de Condor elevado à categoria de município.

Em divisão territorial datada de 1-I-1979, o município é constituído do distrito Sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica distrital

Pindorama para Panambi alterado, pelo decreto-lei estadual nº 720, de 29-12-1944.

Fonte: IBGE www.panambi.rs.gov.br www.rsvirtual.net www.cnm.org.br/municipio/historia.asp www.panambi.rs.probrasil.com.br

Autor do Histórico: CLAYTON COSTA DA SILVA

Código do Município

4313904

Gentílico

panambiense

Prefeito

DANIEL HINNAH

População
População estimada [2018]43.170 pessoas  
População no último censo [2010]38.058 pessoas  
Densidade demográfica [2010]77,53 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]2,9 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]14.618 pessoas  
População ocupada [2016]35,2 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]26,9 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]99,1 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]6.3  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]4.8  
Matrículas no ensino fundamental [2017]4.861 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]1.335 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]329 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]168 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]20 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]6 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]41.950,67 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]66,8 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0.761  
Total de receitas realizadas [2017]160.725,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]123.331,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]13,75 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]1 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]25 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]490,857 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]59,6 %  
Arborização de vias públicas [2010]85,7 %  
Urbanização de vias públicas [2010]47 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Panambi: Imagens da cidade e Região

imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-1
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-2
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-3
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-4
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-5
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-6
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-7
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-8
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-9
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-10
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-11
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-12
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-13
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-14
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-15
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-16
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-17
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-18
imagem de Panambi+Rio+Grande+do+Sul n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Panambi e arredores.


Você conhece a cidade de Panambi? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. ROSANE CRISTINA FRANZMANN's avatarROSANE CRISTINA FRANZMANN

    A CIDADE DE PANAMBI....e bonita, e tem se desenvolvido muito....com bairros novos bonitos... nao moro mais na cidade a 20 anos, mais quase todos os anos em julho vou visitar parentes e amigos.Pena que a cidade esteja com as suas ruas centrais da cidade, em mal estado..como se ve pais a fora em muitas cidades do Brasil o descaso dos governantes, nos municipios em que se elegem...mais acredito, em progressos e mudanças para melhor..ADORO...e nao esqueço nunca do lugar aonde me criei..passei minha infancia na zona rural..e juventude fui viver na cidade....SEMPRE QUE MEUS FILHOS ME PERGUNTAM ...MAE QUAIS CIDADES VOCE ACHA MAIS BONITA...PANAMBI....sempre esta entre elas....

    #1 – 19/11/2017 - 11:48

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: