Início » Paraíba » Monteiro


Monteiro - Paraíba



Monteiro faz parte do estado da Paraíba localizado na microrregião do Cariri Ocidental. Possui a nascente do principal rio do estado, tal como é a principal civilização do alto Paraíba (ou São Domingos no tronco indo-europeu).

Antes de surgir oficialmente na história Monteiro era uma área de fazendeiros e criadores de gado. No final do século XVIII, algumas famílias lá se estabeleceram e, em 1800, Manoel Monteiro do Nascimento desmembrou uma área de sua fazenda, chamada Lagoa do Periperi, para construir uma capela consagrada a Nossa Senhora das Dores, distante 300 metros da margem do Rio Paraíba.

A beleza do local foi atraindo habitantes e, em pouco tempo, formou-se um povoado que, em 1840, deixou de ser Lagoa do Periperi e passou a se chamar Povoação da Lagoa (havia apenas duas casas de telha na época). Pouco tempo depois, em homenagem ao seu fundador, o povoado recebeu o nome de Alagoa do Monteiro.

História da cidade de Monteiro Paraíba - PB

No final do século XVIII, Custódio Alves Martins, João Pereira de Melo e outros, estabeleceram fazendas de criação de gado, no local onde se ergueu o município de Monteiro. Em 1800, Manuel Monteiro do Nascimento e sua mulher desmembraram, de sua Fazenda Lagoa do Periperi, meia légua de terra em quadro, para constituir o patrimônio da capela de Nossa Senhora das Dores, por eles edificada no pátio de sua propriedade, distante 300 metros da margem do rio do Meio. A fertilidade do solo atraiu muitos habitantes e, em pouco tempo, havia ali um povoado que, em 1840, já trocara a denominação de Lagoa de Periperi pela de Povoação da Lagoa. Posteriormente, em homenagem ao seu fundador, recebeu o nome de Alagoa do Monteiro.

O distrito de Alagoa do Monteiro foi criado em 1865 e o Município, em 1872, com território desmembrado do de São João do Cariri. A instalação se deu no ano seguinte. Em 1921, Alagoa do Monteiro recebeu foros de Cidade, passando a chamar-se, simplesmente, Monteiro.

Gentílico: monteirense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Alagoa do Monteiro, pela provincial nº 194, de 04-091865, subordinado ao município de São João do Cariri.

Elevado à categoria de município com a denominação de Alagoa do Monteiro, pela lei provincial nº 457, de 28-06-1872, desmembrado de São João do Cariri. Sede na povoação de Alagoa. Constituído do distrito sede. Instalado em 20-01-1873.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, o município aparece constituído de 4 distritos: Alagoa do Monteiro, Camalaú, São Sebastião do Umbuzeiro e São Tomé.

Nos quadros de apuração do Recenseamento Geral de I-IX-1920, o município aparece constituído de 4 distritos: Alagoa do Monteiro, Camalaú e Tigre ex-Camalaú, São Sebastião do Umbuzeiro e São Tomé.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município aparece constituído de 4 distritos: Alagoa do Monteiro, São João do Tigre ex-Camalaú e Tigre, São Sebastião do Umbuzeiro e São Tomé.

Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, o município aparece constituído de 6 distritos: Alagoa do Monteiro, Camalaú e Tigre, Prata, São João do Tigre, São Sebastião do Umbuzeiro e São Tomé.

Pelo decreto-lei estadual nº 1010, de 30-03-1938, o distrito de Camalaú e Tigre voltou a denominar-se simplesmente Camalaú.

Pelo decreto-lei estadual nº 1164, de 15-11-1938, o município Alagoa de Monteiro, passou a denominar-se simplesmente Monteiro. Sob o mesmo decreto-lei de São João do Tigre a denominar-se simplesmente Tigre.

No quadro fixado para vigorar no período de 1939-1943, o município aparece constituído de 6 distritos: Monteiro ex-Alagoa do Monteiro, Camalaú, Prata, São Sebastião do Umbuzeiro, São Tomé e Tigre ex-São João do Tigre.

Pela decreto-lei estadual nº 520, de 31-12-1943, o distrito de Prata passou a denominar-se Mugiqui, São Sebastião do Umbuzeiro a denominar-se Caroá, São Tomé a denominar-se Sumé e Tigre ex-São João do Tigre a denominar-se Jacarará.

No quadro fixado para vigorar no período de 1944-1948, o município aparece constituído de 6 distritos: Monteiro, Camalaú, Caroá ex-São Sebastião do Umbuzeiros, Jacarará ex-Tigre, Mugiqui ex-Prata e Sumé ex-São Tomé.

Pela lei estadual nº 73, de 23-12-1947, o distrito de Jacarará voltou a denominar-se São João do Tigre e Mugiqui a denominar-se Prata.

Pela lei estadual nº 318, de 07-01-1949, o distrito de Caroá voltou a denominar-se São Sebastião do Umbuzeiro.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído constituído de 6 distritos: Monteiro, Camalaú, São Sebastião Umbuzeiro ex-Caroá, São João do Tigre ex-Jacarara ex-Tigre, Prata ex-Mugiqui e Sumé.

Pela lei estadual nº 513, de 08-12-1951, desmembra do município de Monteiro o distrito de Sumé. Elevado à categoria de município.

Pela lei estadual nº 803, de 16-10-1952, é criado o distrito de Boi Velho, com terras desmembradas do distrito de Prata e anexado ao município de Monteiro.

No quadro fixado para vigorar no período de 1949-1953, o município aparece constituído de 6 distritos: Monteiro, Boi Velho, Camalaú, Prata, São João do Tigre e São Sebastião Umbuzeiro.

Pela lei estadual nº 1147, de 16-02-1955, o distrito de Boi Velho passou a denominar-se Ouro Velho. Sob o mesmo decreto desmembra do município de Monteiro os distritos de Prata e Ouro Velho, para formar o novo município de Prata.

Em divisão territorial datada de 1-VII-1955, o município é constituído de 4 distritos: Monteiro, Camalaú, São Sebastião do Tigre e São Sebastião do Umbuzeiro.

Pela lei estadual nº 2110, de 08-05-1959, desmembra do município de Monteiro os distritos de São Sebastião do Umbuzeiro e São Sebastião do Tigre, para formar o novo município de São Sebastião do Umbuzeiro.

Em divisão territorial datada de I-VII-1960, o município é constituído de 2 distritos: Monteiro e Camalaú.

Pela lei estadual nº 2617, de 12-12-1961, desmembra do município de Monteiro o distrito de Camalaú. Elevado à categoria de município

Em divisão territorial datada de 31-XII-196 , o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Alteração toponímica municipal

Alagoa do Monteiro para simplesmente Monteiro alterado, pelo decreto-lei estadual nº 1164, de 15-111938.

Fonte: IBGE

Código do Município

2509701

Gentílico

monteirense

Prefeito

ANNA LORENA DE FARIAS LEITE NÓBREGA

População
População estimada [2018]33.007 pessoas  
População no último censo [2010]30.852 pessoas  
Densidade demográfica [2010]31,28 hab/km²  
Trabalho e Rendimento
Salário médio mensal dos trabalhadores formais [2016]1,7 salários mínimos  
Pessoal ocupado [2016]2.745 pessoas  
População ocupada [2016]8,3 %  
Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo [2010]47,5 %  
Educação
Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade [2010]97,5 %  
IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental [2015]5,1  
IDEB – Anos finais do ensino fundamental [2015]3,7  
Matrículas no ensino fundamental [2017]4.645 matrículas  
Matrículas no ensino médio [2017]1.365 matrículas  
Docentes no ensino fundamental [2015]237 docentes  
Docentes no ensino médio [2017]126 docentes  
Número de estabelecimentos de ensino fundamental [2017]21 escolas  
Número de estabelecimentos de ensino médio [2017]6 escolas  
Economia
PIB per capita [2016]13.599,64 R$  
Percentual das receitas oriundas de fontes externas [2015]82 %  
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) [2010]0,628  
Total de receitas realizadas [2017]75.035,00 R$ (×1000)  
Total de despesas empenhadas [2017]74.261,00 R$ (×1000)  
Saúde
Mortalidade Infantil [2014]10,12 óbitos por mil nascidos vivos  
Internações por diarreia [2016]1,9 internações por mil habitantes  
Estabelecimentos de Saúde SUS [2009]28 estabelecimentos  
Território e Ambiente
Área da unidade territorial [2017]986,356 km²  
Esgotamento sanitário adequado [2010]56,1 %  
Arborização de vias públicas [2010]89 %  
Urbanização de vias públicas [2010]0,8 %  
Notas & Fontes

Notas:

  1. População ocupada: [pessoal ocupado no município/população total do município] x 100

  2. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: [População residente em domicílios particulares permanentes com rendimento mensal de até 1/2 salário mínimo / População total residente em domicílios particulares permanentes] * 100

  3. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: [população residente no município de 6 a 14 anos de idade matriculada no ensino regular/total de população residente no município de 6 a 14 anos de idade] x 100

  4. Docentes no ensino médio: Os docentes referem-se aos indivíduos que estavam em efetiva regência de classe na data de referência do Censo Escolar., No total do Brasil, os docentes são contados uma única vez, independente se atuam em mais de uma região geográfica, unidade da federação, município ou localização/dependência administrativa., No total da Região Geográfica, os docentes são contados uma única vez em cada região, portanto o total não representa a soma das regiões, das unidades da federação, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total da Unidade da Federação, os docentes são contados uma única vez em cada Unidade da Federação (UF), portanto o total não representa a soma das 27 UFs, dos municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., No total do Município, os docentes são contados uma única vez em cada Município, portanto o total não representa a soma dos 5.570 municípios ou das localizações/dependências administrativas, pois o mesmo docente pode atuar em mais de uma unidade de agregação., Não inclui os docentes de turmas de Atividade Complementar e de Atendimento Educacional Especializado (AEE)., Os docentes são contados somente uma vez em cada localização/dependência administrativa, independente de atuarem em mais de uma delas., Inclui os docentes que atuam no Ensino Médio Propedêutico, Curso Técnico Integrado (Ensino Médio Integrado) e Ensino Médio Normal/Magistério de Ensino Regular e/ou Especial.

  5. Internações por diarreia: [número de internações por diarreia/população residente] x 1000

  6. Esgotamento sanitário adequado: [população total residente nos domicílios particulares permanentes com esgotamento sanitário do tipo rede geral e fossa séptica / População total residente nos domicílios particulares permanentes] x 100

  7. Arborização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com arborização/domicílios urbanos totais] x100

  8. Urbanização de vias públicas: [domicílios urbanos em face de quadra com boca de lobo e pavimentação e meio-fio e calçada/domicílios urbanos totais] x 100


Fontes:

  1. População estimada: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de População e Indicadores Sociais, Estimativas da população residente com data de referência 1o de julho de 2018

  2. População no último censo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  3. Densidade demográfica: IBGE, Censo Demográfico 2010, Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2011

  4. Salário médio mensal dos trabalhadores formais: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  5. Pessoal ocupado: IBGE, Cadastro Central de Empresas 2016. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  6. População ocupada: IBGE, Cadastro Central de Empresas (CEMPRE) 2016 (data de referência: 31/12/2016), IBGE, Estimativa da população 2016 (data de referência: 1/7/2016)

  7. Percentual da população com rendimento nominal mensal per capita de até 1/2 salário mínimo: IBGE, Censo Demográfico 2010

  8. Taxa de escolarização de 6 a 14 anos de idade: IBGE, Censo Demográfico 2010

  9. IDEB – Anos iniciais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  10. IDEB – Anos finais do ensino fundamental: MEC/INEP - Censo Escolar 2016

  11. Matrículas no ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  12. Matrículas no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  13. Docentes no ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  14. Número de estabelecimentos de ensino fundamental: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  15. Número de estabelecimentos de ensino médio: Ministério da Educação, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais - INEP - Censo Educacional 2017

  16. PIB per capita: IBGE, em parceria com os Órgãos Estaduais de Estatística, Secretarias Estaduais de Governo e Superintendência da Zona Franca de Manaus - SUFRAMA

  17. Percentual das receitas oriundas de fontes externas: Secretaria do Tesouro Nacional (STN) - Balanço do Setor Público Nacional (BSPN) 2015

  18. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM): Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD

  19. Total de receitas realizadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  20. Total de despesas empenhadas: Contas anuais. Receitas orçamentárias realizadas (Anexo I-C) 2017 e Despesas orçamentárias empenhadas (Anexo I-D) 2017. In: Brasil. Secretaria do Tesouro Nacional, Siconfi: Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro. Brasília, DF, [2018]. Disponível em: https://siconfi.tesouro.gov.br/siconfi/pages/public/consulta_finbra/finbra_list.jsf. Acesso em: set. 2018

  21. Mortalidade Infantil: Ministério da Saúde, Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUS 2014

  22. Internações por diarreia: Ministério da Saúde, DATASUS - Departamento de Informática do SUS, IBGE, Estimativas de população residente

  23. Estabelecimentos de Saúde SUS: IBGE, Assistência Médica Sanitária 2009

  24. Área da unidade territorial: Área territorial brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2018

  25. Esgotamento sanitário adequado: Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

  26. Arborização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

  27. Urbanização de vias públicas: IBGE, Censo Demográfico 2010

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Monteiro: Imagens da cidade e Região

imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-1
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-2
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-3
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-4
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-5
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-6
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-7
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-8
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-9
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-10
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-11
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-12
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-13
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-14
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-15
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-16
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-17
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-18
imagem de Monteiro+Para%C3%ADba n-19

Disponibilizamos uma vasta lista de hotéis de variados preços no município de Monteiro e arredores.


Você conhece a cidade de Monteiro? Então deixe seu comentário!


Comentários (1)

  1. Jefferson Barreto Araujo's avatarJefferson Barreto Araujo

    Boa Tarde,

    Meu nome é Jefferson Barrêto Araújo, descendente direto de Rita Moura Araújo, (minha Avó Paterna) nascida nesta Cidade de Alagoa do Monteiro na Paraíba em 10 de junho de 1910, falecida em 05 de Agosto de 1950, filha de Agostinho Ferreira de Lima e Antônia Maria de Jesus (Ferreira Lima), sendo seus avós paternos Joaquim Ferreira de Lima e Josefina Maria de Jesus e avós maternos Leôncio Rodrigues do do Nascimento e Maria Rodrigues do Nascimento.

    Estou fazendo um levantamento genealógico de nossa família e gostaria de saber o que é preciso para que eu consiga mais informações através deste cartório.

    #1 – 27/07/2017 - 21:00

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: