Início » Bahia » Salvador


Salvador - Bahia



Salvador (fundada como São Salvador da Bahia de Todos os Santos) é a capital do estado da Bahia e primeira capital do Brasil. A cidade de Salvador é notável, no Brasil, pela sua gastronomia, música e arquitetura, e sua área metropolitana é a mais rica no nordeste do Brasil. A influência africana em muitos aspectos culturais da cidade torna o centro da cultura afro-brasileira. Isso reflete uma situação em que se celebram práticas culturais afro-brasileiras. O Centro Histórico de Salvador, iconizado no bairro do Pelourinho, é conhecido pela sua arquitetura colonial portuguesa com monumentos históricos que datam do século XVII até o século XIX e foi declarado como Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em 1985.

Situada na microrregião homônima, Salvador possui mais de 2,6 milhões de habitantes, sendo o município mais populoso do Nordeste, o terceiro mais populoso do Brasil e o oitavo mais populoso da América Latina (superado por São Paulo, Cidade do México, Buenos Aires, Lima, Bogotá, Rio de Janeiro e Santiago). Sua região metropolitana, conhecida como "Grande Salvador", possui 3.574.804 habitantes recenseados em 2010 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o que a torna a terceira mais populosa do Nordeste, sétima do Brasil e uma das 120 maiores do mundo. Por essas dimensões urbano-populacionais, é classificada pelo estudo do IBGE sobre a rede urbana brasileira como uma metrópole regional. Tais dados demográficos espalham-se por uma superfície de 706,8km², ainda conforme o IBGE, cujas coordenadas, a partir do marco da fundação da cidade, no Forte de Santo Antônio da Barra, são 12° 58′ 16′′ sul e 38° 30′ 39′′ oeste.

A primeira sede da administração colonial portuguesa do Brasil, a cidade é uma das mais antigas da América. Por um longo tempo era antigamente chamada de "Bahia" ou "cidade da Bahia", inclusive por moradores do próprio estado e aparece sob este nome ou como "Salvador da Bahia" a fim de diferenciá-las de outras cidades de mesmo nome. Também recebeu epítetos como Roma Negra e Meca da Negritude, por ser uma metrópole cuja maior parte da população é negra, plena de elementos simbólicos e religiosos africanos. De acordo com o antropólogo Vivaldo da Costa Lima, a expressão "Roma Negra" é uma derivação de "Roma Africana", cunhada por Mãe Aninha, fundadora do Ilê Axé Opó Afonjá. Nos anos 1940, em depoimento à antropóloga cultural Ruth Landes. Segundo Mãe Aninha, assim como Roma era o centro do catolicismo, Salvador seria o centro do culto aos orixás. Posteriormente, em seu livro Cidade das Mulheres, Landes traduziu a expressão como Negro Africa. Posteriormente, quando o livro foi traduzido para o português, Negro Africa transformou-se Roma Negra.

História da cidade de Salvador

Salvador já nasceu capital sem ter sido província, e foi por muitos anos a maior cidade das Américas. O primeiro contato dos descobridores portugueses com as terras da atual cidade do Salvador, ocorreu quando da viagem da nau que levou ao Reino a boa nova do descobrimento. A expedição que viera de Portugal para reconhecer a nova conquista da coroa, a 1º de novembro de 1501, encontrou uma baía ampla, cheia de ilhas e muitos habitantes, à qual, sob inspiração da própria data, dera o nome de "Baía de Todos os Santos". Um marco de pedra foi, então, assentado no extremo sul do promontório -lugar hoje ocupado pela fortaleza e farol de Santo Antônio da Barra - assinalando as novas terras incorporadas ao patrimônio de Portugal.

Inicialmente, a região era habitada apenas por índios. Por conta de um naufrágio em 1510, à eles se juntaram os tripulantes de um navio francês, e, dentre estes, encontrava-se Diogo álvares Corrêa, o Caramuru. Em 1534, foi fundada a capela em louvor a Nossa Senhora da Graça, porque ali viviam Caramuru e sua esposa, a indígena Catarina Paraguaçu, filha do cacique Taparica. Tornaram-se o primeiro casal cristão do Brasil.

Em 1536, chegou na região o primeiro donatário, Francisco Pereira Coutinho, que recebeu donataria de El-Rei Dom João III. Fundou o Arraial do Pereira, nas imediações onde hoje está a Ladeira da Barra. Este arraial, doze anos depois, na época da fundação da cidade, foi chamado de Vila Velha.

Mais tarde, o soberano português resolveu criar um Governo Geral com jurisdição sobre todo o território. Coube a instalação do Governo da colônia a Tomé de Sousa, que deixou Lisboa a 1º de fevereiro de 1549, com mais de mil pessoas, entre elas o primeiro médico nomeado para o Brasil, Dr. Jorge Valadares, os primeiros padres jesuítas, o farmacêutico, Diogo de Castro, pessoas de serviço, degredados e colonos-missionários, além de artífices, funcionários e soldados.

No Regimento que entregara à Tomé de Sousa, dizia D. João III: "A baía de Todos os Santos é o lugar mais conveniente da costa do Brasil para se poder fazer a dita povoação e assento, assim pela disposição do ponto e rios que nela entram, como pela bondade e abundância e a saúde da terra e por outros respeitos, hei por meu serviço que na dita baía se faça a dita povoação e assento." A escolha do soberano foi assim explicada, com uma viva imagem literária, por Frei Vicente do Salvador: "o Rei criou a Bahia para que fosse como o coração no meio do corpo,". Então, em 29 de março daquele ano, pela Ponta do Padrão, chega a expedição, com ordens do rei de Portugal para fundar uma cidade-fortaleza chamada do São Salvador.

Os primeiros escravos que aportaram na capital do Novo Mundo vieram da Nigéria, Angola, Senegal, Congo, Benin, Etiópia e Moçambique, a partir de 1550.

O açúcar, no século XVII, já era o produto mais exportado pela colônia. No final deste século, a Bahia se torna a maior província exportadora de açúcar. Nesta época, os limites da cidade iam da freguesia de Santo Antônio Além do Carmo até a freguesia de São Pedro Velho. A Cidade do São Salvador da Bahia de Todos os Santos foi sede da administração colonial do Brasil até 1763, quando o Rio de Janeiro tornou-se capital.

Em 1808, Salvador recebeu a família real portuguesa, que fugia de Napoleão Bonaparte, então invasor de países europeus. Na ocasião, o príncipe-regente, D. João VI, fundou a primeira Escola Médico-Cirúrgica, no Terreiro de Jesus, que se tornou a primeira faculdade de Medicina do Brasil. Em 1809, o Conde d′os Arcos iniciou sua administração, a qual foi muito benéfica à cidade. Em 1812, ele inaugurou o Teatro São João, onde mais tarde Xisto Bahia cantaria suas chulas e lundus, e Castro Alves inflamaria a platéia com seus maravilhosos poemas líricos e abolicionistas. Ainda no governo do Conde d′os Arcos, ocorreram os grandes deslizamentos nas Ladeiras da Gameleira, Misericórdia e Montanha.

Antes mesmo de proclamada a independência do País, já se lutava nas ruas de Salvador pela nossa emancipação política. Depois, nos arredores da cidade, travaram-se as vitoriosas batalhas de Cabrito e Pirajá, que culminaram, a 2 de julho de 1823, com a consolidação da Independência Nacional. Em 1835, ocorre a revolta dos escravos muçulmanos, conhecida como Revolta dos Malês.

Durante o século XIX, Salvador continuou a influenciar a política nacional, tendo emplacado diversos Ministros de Gabinete no II Reinado, tais como Saraiva, Rio Branco, Dantas e Zacarias.

Com a proclamação da República e a crise nas exportações de açúcar, a influência econômica e política da cidade no cenário nacional passa a ser cada vez menos importante. No período republicano, a fisionomia urbana da cidade sofreu modificações sensíveis a começar com as obras do Porto, que lhe ampliaram a área com aterros necessários a construção do ancoradouro. De 1912 a 1914, deu-se a abertura da Avenida Sete de Setembro, do Largo do Teatro (atual Praça Castro Alves) até o Farol da Barra. Nessa época, também se verificou a demolição das histórica igrejas da Ajuda, de São Pedro e do Rosário de João Pereira.

A cidade de Salvador era antigamente chamada de Bahia (inclusive por moradores do próprio estado). Também já recebeu alguns epítetos, como o de "Roma Negra", isso por ser considerada a cidade com maior população negra fora da áfrica.

Gentílico: soteropolitano

Formação Administrativa

Cidade criada pelo alvará régio de 29 de março de 1549, com atual organização dada pela lei estadual nº 687, de 30/12/1953, publicada no Diário Oficial em 17/02/1954. dividido em 22 subdistritos.

Fonte: Prefeitura Municipal de Salvador; Secretaria Municipal de Planejamento, Urbanismo e Meio Ambiente (SEPLAM) de Salvador.

Autor do Histórico: JOãO JOSé DOS SANTOS OLIVEIRA

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.


Salvador: Imagens da cidade e Região

Ainda não temos imagens dessa cidade, se você possui alguma envie pra gente!

Você conhece a cidade de Salvador? Então deixe seu comentário!


Comentários (3)

  1. Liza's avatarLiza

    Olá, em época de crise estou aqui para indicar um site para quem está em busca de Trabalho e Renda Extra. Segue links abaixo. Um abraço e Sucesso a todos.

    Copie e cole na barra de endereço.

    http://ju01.llik.info/

    ou

    http://www.53.dtikm5.com/w/4eleNcJe2GLqRru37Sxe756a5483

    #3 – 05/07/2016 - 23:02

  2. Claudio Borges's avatarClaudio Borges

    D’Azur, Lançamento em Salvador, Jaguaribe, Frente mar.

    D’Azur, lançamento da Odebrecht localizado em Piatã, em frente a praia de Jaguaribe, 2 torres, 2 apartamentos por andar, 4 suítes, área de 235 m² e 242 m², coberturas de 382 m², todos apartamentos de frente para o mar.

    Venha conhecer um residencial de luxo na Praia de Jaguaribe, feito para quem busca a perfeita harmonia entre a felicidade e o prazer de morar bem.

    Condições de pré-lançamento.

    Consulte tabela e disponibilidade.

    Mais detalhes com:

    Claudio Borges.

    +55(71)3494-7843

    +55(71)99970-6866 Vivo

    +55(71)98203-0006 Claro

    +55(71)99297-9846 TIM

    +55(71)98758-5793 Oi

    +55(71)99911-1102 WhatsApp

    #2 – 14/03/2016 - 12:04

  3. Jornalista Ana Livia Magalhães's avatarJornalista Ana Livia Magalhães

    Policia Federal procura os estelionatários e golpistas IEDA CERQUEIRA ANMORIM BASTOS (técnica de enfermagem) e o seu comparsa JAMIR MACHADO BASTOS (desempregado); ambos moradores do bairro da Boca do Rio em Salvador. A polícia civil e policia federal intensifica as buscas para prenderem os falsários que vem lesando dezenas de pessoas na capital baiana através de depósitos ilícitos bancários. Fiquem atentos com essa quadrilha.

    #1 – 23/02/2016 - 14:30

Postar um comentário

     (Opcional)




Estados





Compartilhe Esta Página: