Início » Minas Gerais » Padre Carvalho


Padre Carvalho - Minas Gerais



Padre Carvalho é uma cidade do norte do estado de Minas Gerais.

Sua população estimada em 2010 era de 4.893mil habitantes.

História da cidade de Padre Carvalho Minas Gerais - MG

Os primeiros habitantes do lugar onde é hoje nossa cidade foram os índios Carnijós ou Fulni-ô, (Fulni-ô em Yaathe quer dizer: Povo que vive na beira do rio) que pertenciam à tribo localizada naserra de águas Belas, no vizinho Estado de Pernambuco. Viviam espalhados ao longo das margens do rio Ipanema e foram afugentados pelas chamadas "Entradas e Bandeiras" (Descedores e Corsários) que realizaram as primeiras penetrações no rio São Francisco, de 1656 a 1661.

Em 1658, era concedida a Nicolau Aranha Pacheco, Francisco de Brá, Damião da Rocha e Baltazar de Farias, uma sesmaria de 16 léguas, perto do rio São Francisco, dividida ao meio pelo rio das Cabaças - hoje chamado Capiá. Exatamente nas cabeceiras desta sesmaria foi concedida uma outra a Damião da Rocha, Teodosio da Rocha, Francisco de Brá e Antonio Souto.

Nas margens desta ultima doação, foi doada outra sesmaria a Antonio de Souza Andrade e mais três companheiros por carta de 03 de novembro de 1660. Por trás da Serra do Pitajá, os já referidos Francisco de Brá, Damião da Rocha e Baltazar de Farias obtiveram nova sesmaria de quatro a cinco léguas de comprimento por cinco de largura. E nas suas vizinhanças, o Padre Francisco Manoel da Silveira, a Igreja dos Guararapes e mais cinco requerentes conseguiram no ano de 1660 uma sesmaria de vinte léguas de comprimento por dez de largura, entre os rios Ipanema, Traipu e Pibiré. - Isso ocorreu antes mesmo da criação da Comarca de Alagoas, fato ocorrido somente em 09 de Outubro de 1706.

Foram, porém os rendeiros e os compradores de terras dessas sesmarias que ocuparam efetivamente o sertão alagoano, subindo os vales secos do Traipu, do Ipanema e do Capiá no decorrer do século XVIII.

No dia 19 de Março de 1771, o Sr. João Carlos de Mello e sua esposa Maria de Lima passaram a escritura da Fazenda Picada ao Sr. Martinho Vieira Rego - esse documento se referia à localidade denominada Maniçoba, hoje periferia de Santana do Ipanema.

A fazenda Picada foi vendida a prazo por trezentos mil réis, dos quais, cem mil réis seriam pagos no mês de setembro do corrente ano, e os outros duzentos mil seriam divididos em mais quatro prestações de cinquenta mil réis anuais a cada mês de setembro. O gado que havia na propriedade também foi vendido ao mesmo comprador a preço de dois mil réis cada cabeça. Como a Srª Maria de Lima não sabia ler nem escrever, teve o seu nome aposto ao documento pelo seu filho Inácio.

Os irmãos Martinho e Pedro Vieira Rego e suas famílias fixaram-se à margem esquerda da Ribeira do Panema - primeiro nome da localidade - num lugar cercado de colinas, próximo as Serras da Camonga, Poço, Caiçara e Gugi.

Aparecem, assim, as primeiras fazendas de criar, nesta região, que se comunicavam com aspovoações da "beira" do São Francisco, ao Sul, e com o Povoado de águas Belas, Vilas de Garanhuns e Cimbres na "banda" do Norte.

Como eram trabalhadores, os irmãos Martinho e Pedro logo prosperaram. Organizaram novas fazendas que foram sendo entregues aos filhos que constituíram famílias.

Esses intrépidos fazendeiros foram dando nome às suas propriedades, aos acidentes geográficos e às povoações que iam surgindo.

Em 1787, quando Santana era um simples arraial quando chegou à região o Padre Francisco José Correia de Albuquerque, missionário natural de Penedo, mas sendo seu pai de Bezerros, Pernambuco e sua mãe de Penedo. Em aqui chegando, conseguiu construir naquele mesmo ano uma capela em honra a Senhora Santa Ana - atual padroeira - em cujos trabalhos de construção foi ajudado pelo fazendeiro Martinho Rodrigues Gaia e auxiliado pelo povo, que vinha ouvir as pregações do missionário. Nascia assim a "cidade".

A povoação cresceu, e cinquenta anos depois já contava com 4.703 habitantes, dos quais 570 eram escravos.

Em 1836, cumpridas as formalidades exigidas pela Igreja Católica, a povoação torna-se freguesia. Padre Francisco José Correia de Albuquerque toma posse como o primeiro pároco de Santa Ana da Ribeira do Panema. Finda seu sacerdócio em 1842.

A povoação continuou a crescer e a progredir. Foram sendo delineados rapidamente a Praça da Matriz, o Quadro Central, ruas e becos.

No ultimo quartel do século XIX, foram construídos os belos sobrados coloniais do Centro. Foi a lei nº 9, de 24 de Fevereiro de 1836 que tornou Santana uma Freguesia. Um detalhe expressivo é que foi o próprio Padre Francisco correia quem promoveu gestões junto aos conselheiros do Governo do presidente de Alagoas, D. Nuno Eugênio Lócio e Seilbiz, com o propósito de elevar Santana a essa categoria. O projeto só se converteria em Lei naquele ano pelas inúmeras formalidades de que se fez mister.

Em 24 de Abril de 1875, Santana torna-se Vila pela resolução nº 681, desmembrando-se do território de Traipu, com estrutura própria político-administrativa, com poderes para arrecadar tributos, prestar contas deles ao erário estadual, eleger intendentes - atuais prefeitos - e conselheiros - atuais vereadores. A população, então dobrara. "O progresso da Vila alicerçava-se na velha pecuária e numa florescente agricultura de milho, feijão e algodão" - fonte: Djalma de Melo Carvalho; Festas de Santana - e ainda, no comércio de tecidos e no beneficiamento de algodão.

Veio a República, e com ela vieram a constituição, novas leis e novo processo político. Alguns comerciantes tomaram gosto pela política. O coronel Luiz Gonzaga de Souza Góes, por exemplo, comerciante de tecidos, exerceu o cargo de Intendente de 1895 a 1914. Deixou em seu lugar o Padre Manoel Capitulino de Carvalho, seu cunhado. Este Padre fascinado por política, influenciou nas decisões político-administrativas de Santana do Ipanema durante cerca de trinta anos.

Padre Capitulino havia chegado à cidade em 1898, como o 15º Pároco. Com a liderança e a efetiva participação dele, a Vila comemorou com muita festa a chegada do novo século. A 1º de Janeiro de 1900, a Capela de Nossa Senhora da Assunção é erguida como monumento alusivo à passagem do século, seria o local de convergência das festividades.

Em 1917 chega à Vila o Padre José Bulhões para coadjuvar o então pároco Manoel Capitulino de Carvalho.

Gentílico: padre carvaliense

Formação Administrativa

Distrito criado com a denominação de Padre Carvalho, pela lei estadual nº 2764, de 30-121962, subordinado ao município de Grão-Mogol.

Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o distrito de Padre Carvalho, figura no município de Grão-Mogol.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VI-1995.

Elevado à categoria de município com a denominação de Padre Carvalho, pela lei estadual nº 12030, de 12-12-1995, desmembrado de Grão-Mogol. Sede no antigo distrito de Padre Carvalho. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1997.

Em divisão territorial datada de 2003, o município é constituído do distrito sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.

Fonte: IBGE

Ajude a divulgar a Histórias de sua cidade.

Se você encontrou algum dado incorreto ou acha que pode melhorar essas informações, entre em contato conosco ou envie seu texto para gente.



Síntese das Informações
Área da unidade territorial - 2016: 446,275: km²
Estabelecimentos de Saúde SUS: 3: estabelecimentos
Matrícula - Ensino fundamental - 2015: 1.164: matrículas
Matrícula - Ensino médio - 2015: 244: matrículas
Número de unidades locais: 83: unidades
Pessoal ocupado total: 440: pessoas
PIB per capita a preços correntes - 2014: 6.086,59: reais
População residente : 5.834: pessoas
População residente - Homens: 2.973: pessoas
População residente - Mulheres: 2.861: pessoas
População residente alfabetizada: 3.864: pessoas
População residente que frequentava creche ou escola : 1.696: pessoas
População residente, religião católica apostólica romana: 5.034: pessoas
População residente, religião espírita: -: pessoas
População residente, religião evangélicas: 592: pessoas
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Rural: 1.179,00: reais
Valor do rendimento nominal médio mensal dos domicílios particulares permanentes com rendimento domiciliar, por situação do domicílio - Urbana: 1.244,46: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Rural: 215,00: reais
Valor do rendimento nominal mediano mensal per capita dos domicílios particulares permanentes - Urbana: 267,50: reais
Índice de Desenvolvimento Humano Municipal - 2010 (IDHM 2010): 0,599:

Fonte:IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Padre Carvalho: Imagens da cidade e Região

As fotos fornecidas pelo Panoramio estão sobre direitos autorais de seus proprietários.

Você conhece a cidade de Padre Carvalho? Então deixe seu comentário!


Comentários (0)

Ainda não há comentários, seja o primeiro!

Postar um comentário

     (Opcional)






Compartilhe Esta Página: